Drops do mercado | Julho 2020

Com a chegada do inverno, as temperaturas caem, o clima seco entra em cena e as doenças respiratórias aparecem com mais frequência. Uma preocupação ainda maior diante do cenário do coronavírus.

Como consequência do clima seco, os sintomas como nariz entupido, tosse e espirros ficam mais comuns, a rinite alérgica se intensifica, doença que afeta cerca de 40% de população mundial que pode muitas vezes confundir com o coronavírus.

Como vemos a evolução da rinite alérgica através das publicações?

Publicações ao tempo do War-Room STILINGUE

Através do termo rinite alérgica desde o começo do ano notamos que tivemos um salto a partir do momento que os casos de transmissão pelo coronavírus aumentavam no Brasil e a medida que se aproximava do inverno, que teve início em 20 de junho.

Os meses março e maio foram os mais relevantes em volume de publicações, 24% e 34% respectivamente.

Perfil dos publicadores

As mulheres participam mais das conversas, representando 70% do público e por se tratar de uma alergia o sentimentos com teor negativo predominam, 50% de importância.

Mas o que mais reclamam sobre a rinite alérgica?

Período: 01/abr a 23/jul
Gráfico: Termos relacionados do Radar STILINGUE
Como ler o gráfico: os termos do centro são os mais conectados com a comunidade, mas suas extremidades contam diferentes histórias. Já o tamanho dos círculos indicam a relevância dos assuntos nas discussões

A casa aparece em evidência próximo à rinite alérgica, indicando que situações dentro de casa agravam os sintomas, como animais de estimação, como o gato que solta bastante pelo.

Outra circunstância dentro de casa é o momento da faxina que ao utilizar materiais de limpeza e a retirada de pó levam muitos a terem crise de rinite.

Ainda, é evidente a recorrência nas crises, quando vemos o termo não aguento.

Como consequência do momento do coronavírus, é comum encontrar dúvidas se os sintomas que estão enfrentando e que é muitas vezes confundido com a rinite alérgica.

Por fim é comum encontrar o compartilhamento do remédio para combater a rinite assim como pedindo dicas de qual é o melhor.

Considerações

As indústrias farmacêuticas e farmácias ao analisar questões sazonais nas mídias sociais conseguem se programar com antecedência para disponibilizar as informações necessárias para os consumidores que sofrem com a doença.

Autor

Pâmela Gonçalves é formada em Relações Internacionais e trabalha com pesquisa de mercado desde 2011, quando começou sua carreira na indústria de bens duráveis. Como parte da sua jornada já trabalhou em instituto de pesquisa e traz experiência de diversos setores do mercado e atualmente atua como BI aplicando o social listening para capturar as mais variadas tendências.

Escreva um comentário