Drops do mercado | Janeiro 2021

O ano de 2021 chegou e com ele a esperança da vacinação da população brasileira contra o COVID-19.  

Só nos últimos 30 dias tivemos mais de 900 mil publicações sobre a temática, um crescimento de 103%, contra os 30 dias anteriores, ao passo que vemos a vacina cada vez mais concreta para a população. 

Gráfico: Publicações no tempo do War-Rom STILINGUE

As vacinas que estão em pauta foram as que já estão sendo utilizadas em outros países ou que estão em fase de testes, como por exemplo a vacina Coronavac que a mais citada dentre a sociedade brasileira.

Coronavac → 72,1%

BioNTech-Pfizer →  13,8%

AstraZeneca → 8,9%

Moderna → 3,0%

Sputnik V → 1,8%

Covaxin → 0,3%

Pautas

Gráfico: Termos c
Gráfico: Termos Relacionados do War-Room STILINGUE

Como vimos que a Coronavac é a mais citada dentre as vacinas atuais, podemos identificar que ela também é chamada de vacina chinesa ou vacina do Butantan, o instituto responsável pela produção da mesma no país.

Ainda, vemos que a sociedade discute se ira tomar ou não a vacina, onde a maioria estaria a favor, 61% enquanto que 39% se declaram contra.

E quando analisamos o universo sobre a Coronavac, vemos um aumento pela intenção em tomar a vacina de 68% e 32% estariam contra, alegando que preferem tomar as outras vacinas disponíveis, como da Pfizer ou Oxford. 

Por fim, a discussão sobre a intenção de tomar a vacina chinesa foi atenuada após a liberação da eficácia da vacina, presente em pelo menos 15% das publicações, que de certa forma gerou confusão para a sociedade, sendo a eficácia final da vacina de 50,34%, mais baixo do que os 78% divulgado incialmente, mas dentro do mínimo requisitado pela OMS (50%).

Considerações

Com o monitoramento do sentimento da população diante de um cenário tão delicado, o monitoramento auxilia as empresas a criar pautas de comunicação que pautem a informações técnicas sobre a vacinação mais acessíveis para a sociedade.

Autor

Pâmela Gonçalves é formada em Relações Internacionais e trabalha com pesquisa de mercado desde 2011, quando começou sua carreira na indústria de bens duráveis. Como parte da sua jornada já trabalhou em instituto de pesquisa e traz experiência de diversos setores do mercado e atualmente atua como BI aplicando o social listening para capturar as mais variadas tendências.

Escreva um comentário