De acordo com a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física, realizada pelo IBGE, o setor automotivo brasileiro cresceu 18,3% no primeiro semestre de 2018, sendo que atualmente o Brasil possui o nono maior mercado automotivo do mundo.

Ainda não é o ambiente de 2015, quando os brasileiros figuravam como o quarto maior mercado, entretanto o setor segue com sua inquestionável presença na cultura e consumo do país. 

Nesse sentido, um exemplo disso é o Brasil possuir um carro para cada 4,8 habitantes, eventos e encontros de donos de veículos, nichos de customização de automóveis, sem mencionar as comunidades formadas em torno de carros específicos, como é o caso do Jeep, com clubes formados por proprietários, os “jipeiros”. 

Imagine então o desafio que é ouvir essas vozes, entender como se relacionam com determinada marca e até identificar trechos ainda não explorados para pavimentar novas estradas.

Para pilotarmos por esse caminho precisamos do veículo apropriado.

ONDE FALAM SOBRE O SETOR AUTOMOTIVO??

A princípio, monitoramos menções às principais marcas e montadoras do país durante 13/10/2018 até 19/11/2018, formando uma amostra de 66.680 publicações. Essas conversas se distribuem da seguinte maneira:

Imagem 1: Distribuição por Redes Sociais da Stilingue setor automotivo
Imagem 1: Distribuição por Redes Sociais da Stilingue

O Instagram e o Twitter se destacam como os principais canais da amostra.

A API do primeiro permite o monitoramento por hashtags, muito utilizadas no compartilhamento de imagens de carros, customizações e reviews. Pelo Twitter, são monitorados os termos publicados por perfis públicos. Os portais, em terceiro na coleta, tem em sua volumetria publicações de sites e blogs.

QUEM FALA SOBRE O SETOR AUTOMOTIVO?

Imagem 2: Distribuição por Gênero da Stilingue setor automotivo
Imagem 2: Distribuição por Gênero da Stilingue

Dos usuários que possuem a informação de gênero disponível, homens que conversam sobre o setor automotivo possuem maior incidência, indicando que o tema ainda é majoritariamente masculino, com 45%. Organizações aparecem com 36%, onde estão inclusas fanpages, portais e blogs de marcas. 

Nesse sentido alguns usuários se destacam quando consideramos a atratividade ao conteúdo, a afinidade com a pesquisa e o alcance de suas publicações. Eles são os influenciadores e podem ser visualizados no gráfico abaixo. Nele, o raio do círculo determina o alcance do influenciador, o eixo vertical considera a atratividade e o eixo horizontal a afinidade com a nossa pesquisa.

Imagem 3: gráfico de Ranking AAA da Stilingue setor automotivo
Imagem 3: gráfico de Ranking AAA da Stilingue

Como resultado os perfis oficiais possuem a maior presença entre os influenciadores, sendo os fabricantes com maior frequência, seguidos pelas mídias especializadas, como Quatro Rodas, Autoesporte e iCarros.

O QUE FALAM SOBRE O SETOR AUTOMOTIVO?

As marcas mais citadas da amostra foram Ford, Fiat e Volkswagen que, somadas, estão presentes em 47,9% das publicações.

Além disso, dois grandes temas foram utilizados para categorizar as publicações entre aspectos positivos e negativos. 

  • Aspectos positivos: publicações que elogiam automóveis em atributos como design e performance.
  • Aspectos negativos: publicações que depreciam veículos em relação ao design, preço, consumo e falhas.

Logo, cruzando essas características com as conversas, obtemos a matriz comparativa onde é possível notar que os aspectos positivos são mais frequentes do que os negativos. 

Imagem 4: Matriz Comparativa da Stilingue setor automotivo
Imagem 4: Matriz Comparativa da Stilingue

Nesse sentido, analisando as publicações para os aspectos positivos das marcas mais citadas temos maior incidência para os modelos Mustang, Voyage e Saveiro. Os dois últimos devido à comunidades formadas pelos proprietários que conversam sobre as características dos veículos, além de nichos de customização.

Já no caso do Mustang, é interessante observar que as conversas sobre o modelo também citam Camaro, veículo concorrente, com frequência considerável. Assim, esses dois modelos são frequentemente comparados.

CLIENTES COMO ADVOGADOS DAS MARCAS

É possível notar também como os perfis oficiais podem pautar conversas nesse setor: a presença desses modelos nas conversas possuem um débito à Chevrolet, que publicou uma provocação direta à Ford, gerando engajamento no debate.  Com isso, os usuários foram advogados dos aspectos positivos de cada modelo.

Por outro lado já nos aspectos negativos chama a atenção um recall realizado pela Ford nos modelos Edge e Fusion.

Ford Ka é citado em conversas sobre visual e desempenho.  Vemos também a presença da Chevrolet com o Mustang nessas conversas, onde é possível notar que a rivalidade no setor automotivo entre os adeptos do Mustang e Camaro polariza os adjetivos aos dois modelos.

Ainda considerando esse contexto, as conversas possuem pontos associados entre si, como podemos ver abaixo no gráfico de termos correlacionados.

Imagem 5: Gráfico de Termos Correlacionados da Stilingue setor automotivo
Imagem 5: Gráfico de Termos Correlacionados da Stilingue

Os termos filtrados, ao centro, dizem respeito ao foco da análise, que são os aspectos positivos e negativos somados. Assim, a partir do centro temos as conversas de primeiro nível que se desdobram em um segundo e assim por diante. Acima, podemos notar a associação dos termos Mustang e Camaro que foram evidenciados, também, em virtude do Salão do Automóvel. 

Picapes e off roads aparecem em conversas através do termo força, que se associa aos termos estilo, robustez, modelo e off road. Veículos como Ranger, S10 e Toro são frequentemente citados nas conversas.

Esses veículos, de fato, estão em uma das categorias mais citadas da amostra, junto com os sedãs, conforme a matriz comparativa abaixo:

Imagem 6: Gráfico Matriz Comparativa da Stilingue

Por fim, destas categorias, se destacam nas conversas os modelos Corolla e Prius para os sedãs. Picapes emergem com a F150 da Ford, o Fiat Strada e uma comunidade específica para proprietários de Saveiro. 

COMUNIDADES FORMADAS POR HASHTAGS

Outra conversa se destaca pelos termos abaixo, que são hashtags no Instagram:

Imagem 6: Gráfico de Termos Correlacionados da Stilingue setor automotivo
Imagem 6: Gráfico de Termos Correlacionados da Stilingue

Ao verificar as publicações que permeiam o eixo, uma comunidade específica emergiu em nossa análise: proprietários de Chevrolet Celta que customizam o veículo. As publicações buscam mostrar os resultados da personalização. Family Celta também é um perfil que centraliza uma robusta rede de interações na comunidade:

Imagem 7: Gráfico de Rede de Interações da Stilingue

EVENTOS QUE DÃO FORÇA AO SETOR AUTOMOBILÍSTICO

Além da formação de comunidades específicas, o setor é conhecido pelos eventos que norteiam a temática. Assim, o Salão do Automóvel é o mais expressivo deles. A última edição foi realizada no dia 05 de novembro em São Paulo e o evento é um termômetro do mercado, ditando tendências do setor automobilístico.

7.863 publicações da amostragem fizeram referência direta ao Salão do Automóvel e o Nissan Leaf conseguiu holofotes: é o único veículo que pauta conversas de primeiro nível.

Considere que, na plotagem do gráfico, a Inteligência Artificial da Stilingue analisa as conversas buscando os termos mais recorrentes de acordo com o estudo realizado.

Uma vez que o recorte foca no Salão do Automóvel, sendo ele portanto o ponto de partida do sonar, Nissan Leaf concorre com o próprio termo Salão do Automóvel. Em suma, o modelo foi assunto. As conversas nesse segmento levantam a tendência dos carros elétricos e apontam o modelo como líder mundial de vendas para carros elétricos.

Outra tendência apontada pelo evento, a tecnologia dos veículos também permeou as conversas, com destaque ao Mit Key Board da Mitsubishi Motors, o sistema autônomo da Renault e o conceito I.D. da Volkswagen.

Imagem 8: Gráfico de Termos Correlacionados da Stilingue

USUÁRIOS QUE OPINAM E CRIAM PAUTAS IMPORTANTES PARA AS MARCAS

126 usuários se manifestaram sobre o consumo de algum veículo. Nesse recorte, as mulheres aumentam sua participação nas conversas, desta vez com 37%.

Imagem 9: Gráfico de Divisão por Gênero da Stilingue

Com 100% das conversas vindas do Twitter, o Mustang e Jeep Renegade aparecem como um sonho de consumo e o Fiat Uno surge em algumas piadas sobre o valor do ingresso do Salão do Automóvel, que seria parecido com o preço do carro. O Audi A3, por sua vez, aparece associado ao sucesso. 

Imagem 10: Gráfico de Termos Correlacionados da Stilingue

Através dos dados conseguimos identificar que comunidades de proprietários de veículos são formadas e esses usuários se tornam advogados da marca. Os fabricantes conseguem formar uma agenda na discussão dos usuários, sendo os principais influenciadores do tema, seguidos pela mídia especializada. 

Os usuários que participam da conversa são majoritariamente homens, mas podemos notar um aumento da participação feminina quando apenas o consumo é levado em consideração. Portanto é um público consumidor que deve ser levado em consideração.

INSIGHTS & RECOMENDAÇÕES SOBRE O SETOR AUTOMOTIVO

Com essa amostra verifica-se que os proprietários de veículos formam comunidades específicas onde conversam sobre os aspectos de seus veículos, bem como trocam informações sobre customizações, no caso do nicho de tunning.

COMUNIDADES EMERGEM E TÊM ALGO A DIZER!

Os dados comprovam que os principais influenciadores do setor são as próprias marcas e a mídia especializada, sinalizando uma estrada sem limite de velocidade para um relacionamento com essas comunidades.

Além disso, a verificação de usuários como advogados de marca, como no caso do Mustang x Camaro, demonstra o potencial de engajamento desse público.

Outra característica do setor são os eventos com alto engajamento dos usuários. A análise do salão do automóvel demonstra que a influência do evento pauta a conversa dos usuários, como foi o caso do Nissan Leaf e a tendência dos carros elétricos.

Os dados coletados nesse estudo sublinham que as marcas possuem credibilidade e potencial para dialogar com as comunidades, uma realidade que deve ser considerada como oportunidade.

Autor

Gabriel Sales é formado em jornalismo e análise de mídias sociais. No campo da comunicação, já atuou como repórter e fotógrafo. Atualmente exerce sua paixão auxiliando usuários nas possibilidades do War Room.

Escreva um comentário